Notícias

Tempo é decisivo para o sucesso no tratamento de doenças cardiovasculares

21/05/2020 15:28:19

Mesmo em período de pandemia, alguns atendimentos devem ser mantidos. No Hospital Pilar, a estrutura foi preparada para receber os pacientes com total segurança 

  Em plena pandemia pelo novo coronavírus, muitos têm deixado de buscar assistência médica quando necessário por medo de contrair a doença em um hospital. O tempo, no entanto, muitas vezes é decisivo para o sucesso no tratamento de muitas outras enfermidades, inclusive as cardiovasculares, que representam a maior causa de morte entre a população segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) . 

De acordo com a neurologista do Hospital Pilar, Claudia Baeta Panfílio (CRM-PR 15370/RQE 8642), um exemplo do grande perigo que ocorre com a demora em procurar atendimento médico é o AVC (Acidente Vascular Cerebral), o popular derrame. “São horas decisivas entre os menores sinais de alterações da fala, da coordenação motora ou da sensibilidade e o início do tratamento. Nesse caso, a agilidade é a nossa principal ferramenta para conseguimos oferecer um tratamento eficaz e que possivelmente irá reverter o quadro”, alerta a especialista. 

A médica cita ainda outros exemplos, como a meningite (processo inflamatório das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal) e o aneurisma roto (rompido), que também necessitam de um cuidado ágil. “Os hospitais mais preparados possuem alas separadas e seguras para tratar os pacientes que não têm sinal de COVID-19.”, explica. 

Essa opinião é compartilhada pelo diretor presidente do Hospital Pilar, Rodrigo Milano. “Seguir as medidas de saúde pública bem como as orientações para a prevenção da doença é um importante instrumento para enfrentar a pandemia. Porém, buscar assistência médica quando necessário e manter os exames de rotina feitos normalmente são atitudes decisivas para que a qualidade de vida seja preservada”, orienta. 

O cardiologista da Instituição, José Carlos Tarastchuk (CRM 14600/RQE 7818), destaca que mesmo as pessoas que passam por sintomas leves, ou mesmo que precisam fazer um check-up, podem procurar atendimento. “Em decorrência da pandemia, temos percebido uma diminuição muito grande de procura em muitos hospitais. Ao sentir dor no peito, por exemplo, caracterizada nos casos mais graves como um incômodo no meio do peito e que irradia para a região de ombro ou membros superiores, as pessoas devem procurar o mais rápido possível o atendimento”, alerta. 

“No Hospital Pilar temos um local para consultas totalmente independente e isolado de casos respiratórios. Para os pacientes que possuem sinais agudos e que por acaso precisem de uma observação emergencial, há também um pronto atendimento exclusivo e sem contato com suspeitos de COVID-19. A mesma segurança ocorre para quem necessita de internamento”, completa Tarastchuk. 


 

voltar