Notícias

DPOC – A importância de detectar a doença para manter a saúde

10/12/2019 15:50:09

Com o tempo seco algumas doenças respiratórias tendem a produzir sintomas mais intensos, causando desconforto e preocupação. Esse é o caso da DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), caracterizada pela redução persistente do fluxo de ar e que atinge, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 384 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo a quarta principal causa de morte entre a população.

Também conhecida como enfisema pulmonar e bronquite crônica, a DPOC não tem cura e acontece quando as vias aéreas dentro dos pulmões ficam estreitas e inflamadas, dificultando a respiração. Tais alterações ocorrem naqueles pacientes que foram expostos à inalação de gases e partículas nocivas levando a lesões irreversíveis nos brônquios e nos pulmões. Com o tempo seco o problema é intensificado, causando ainda mais a sensação de falta de ar e a tosse.

De acordo com o pneumologista do Hospital Pilar, Marcos Rainer Günther (CRM/PR 11531 – RQE 7684), “a principal causa é o tabagismo (ativo e passivo), correspondendo por cerca de 80% dos casos da doença. Além disso, a exposição e a inalação de fumaça de queima de biomassa (carvão e lenha, por exemplo) e a poluição ambiental também são outras causas da doença”. O pneumologista destaca ainda que a forma mais eficaz de prevenção é evitando o cigarro e a exposição aos fatores de risco.

A espirometria, também conhecida como teste do sopro, é o exame que detecta a doença. O objetivo é medir a função pulmonar por meio da quantidade e velocidade do ar soprado. “Além de diagnosticar doenças respiratórias, o exame monitora a progressão e a resposta ao tratamento. Todos os pacientes com problemas respiratórios, como tosse, falta de ar (dispneia) ou sibilância (chiado no peito) precisam realizar o exame como parte da avaliação médica, assim como todos os pacientes que são portadores de doenças respiratórias crônicas e que necessitam de acompanhamento periódico”, explica Günther.

O especialista alerta que, à medida que a doença evolui, outros sintomas e doenças podem aparecer, como fraqueza, perda de peso, depressão e osteoporose. Por isso, buscar atendimento médico o quanto antes é essencial.

 

voltar